Publicado em Formação

A Igreja Católica para o mundo



Num mundo cada vez mais competitivo, a fé se destacando em vários meios, a muito ela deixou de ser meramente espiritual para se tornar motivo para comercio, guerras e sobre tudo divisões religiosas.

Este assunto toma conta das salas de aula todos os dias, e de fato é contado de uma forma totalmente inversa do que realmente ocorreu. Grande exemplo disso é a famosa confusão de que se fazem com o surgimento da igreja com o fim do império romano, há quem diga que o império tomou conta da igreja como forma de continuar seu domínio, essa e outras questões vem explicada de forma sublime pelo professor Felipe Aquino , em seu novo livro “Uma História que não é contada”, e é desse livro, cuja leitura eu recomendo com muito prazer, que venho basear este novo assunto.

Dizer que a igreja foi tomada pelo império romano é a mais profunda prova de analfabetismo histórico, pois a igreja jamais foi tomada pelo império, pelo contrário, a igreja que resistiu mais do que o império romano no ocidente ou de qualquer outra instituição. Pois voltemos no tempo, após a morte e ressurreição do Senhor Jesus, Pedro, e os apóstolos continuaram sua missão de evangelização, aos poucos, a região da Judéia e seus arredores conheceram e aceitaram a mensagem de um mundo novo, embora que isso não tem sido visto de bons olhos pelos judeus e sobre tudo os romanos, época em que o imperador Nero mandava jogar os cristãos as covas de leões, para serem devorados em praça pública por não recusarem o nome do Senhor.

Três séculos se passaram, chegamos ao imperador Constantino, por volta do ano 313, nesse ano, o império vivia uma decadência, provocada pela falta de escravos, o que gerou uma falta de produção, que resultou no aumento de impostos e escassez de dinheiro pra o império, que provocou ainda o fato dos soldados romanos não receberem seus pagamentos e assim recusando a defender Roma, facilitando as invasões em massa vindo dos bárbaros. Em meio a desordem, Constantino se converteu ao cristianismo e liberou a pratica de qualquer culto em Roma, não apenas do cristianismo, o que indica que ele não tinha interesse político nessa religião. E ainda ressaltando o fato de nesse mesmo ano o numero de cristãos já chegavam aos 5 milhões.

Constantino transferiu o império para o ocidente, e ali fundou Constantinopla, que seria a nova sede do império, essa atitude veio da intensificação das invasões a Roma, em meio a desordem, Roma ficou sem um poder central, e seu povo ficou desolado, foi aí que o papel da igreja, já reconhecida com católica, foi fundamental, pois em meio a desordem, o povo romano viu na figura dos bispos alguém em quem confiar, pessoas que queriam antes de mais nada o bem a todos, transmitindo assim a mensagem de Cristo. Daí o fato de a igreja começar a guiar o povo, e assim começar a administrar algumas províncias, mas não por interesse político, mas pela ausência de quem o fizesse para todos. Assim a Igreja Católica, a mesma que conhecemos hoje, foi crescendo pelo seu fervor evangélico e apostólico, ganhando o coração de quem se sentia desolado.

Mas o império romano jamais esteve a frente da igreja, pois em meio a desordem no ocidente, provocada pelas invasões bárbaras, o império estava tranqüilo no oriente, a única vez em que esse mesmo império tentou ser igreja foi no momento em que o imperador Justiniano , no império do oriente se auto proclamou imperador supremo de Roma e da igreja, o que jamais foi aceito pela Igreja do ocidente. Então, e 1054 foi fundada a Igreja Ortodoxa, separando-se da Igreja Católica Apostólica Romana, que já exercia importante papel desde o século III, esse foi o único momento da história que o império romano tentou estar a frente da igreja, então dizer que a Igreja Católica Apostólica Romana é fruto do da política do império romano é uma grande mentira, fundada no fato de que graças a Igreja o império foi respeitado, ou seja, mas uma mentira histórica desmentida, a Igreja Católica sempre foi motivo de conciliação entre os povos, em meio ao caos da queda do império, quem defendia, mesmo que sem armas ou sequer lutar, eram os monges católicos empunhando cruzes e orando a Deus.

Foi a Igreja Católica que inspirou o imperador Carlos Magno, o maior da idade média, em seu reinado, baseando no livro “Cidade de Deus” de Santo Agostinho. Forma gigantes, como Leão Magno que sem lutar desafiaram reis como Átila e os hunos em meio as invasões. A Igreja que sempre defendeu seus ideais, jamais se curvou aos imperadores, e sempre determinou como o povo deveria seguir a vontade de Deus, essa mesma igreja, sempre inspirada pelo Espírito Santo, sobreviveu por dois mil anos, enfrentaram sacerdotes corruptos, reis impetuosos, povos revoltados, mas sobreviveu por mais de 20 séculos, inabalável.

Se a Igreja Católica dispõem de um patrimônio, vale lembrar que tudo foi doado por quem reconhecia nela uma forma de encontrar a salvação, não há um historiador que recuse sua importância no crescimento da humanidade, pois em meio as invasões bárbaras do século III aos séculos XII, que conservou todo material de conhecimento que o ocidente dispunha. Essa mesma Igreja inspirou o reinado de centenas de imperadores, determinou leis, erradicou costumes desumanos e soube conciliar a revolta de seus filhos. E sua missão, a de ser a voz de Cristo na terra sobreviveu ao longo de dois mil anos, pois desde o seu princípio, pregou a caridade e o amor ao próximo, coisa que alguns de seus separadores não conseguiram manter, como Martinho Lutero, fundador do protestantismo disse: “Sob o comando do Papa, ao menos todos eram caridosos uns para com os outros, diferente de hoje no Reino do Evangelho (igreja protestante), onde todos roubam uns aos outros.”

Não foi a Igreja Católica que se separou dos cristãos, mas os cristãos radicais que se separaram da Igreja, e fundaram as suas, como Lutero, Calvino e outros, mas que jamais conseguiram igualar a grande obra que nossa Igreja sempre realizou e ainda realiza a mesma igreja que defende os mesmos princípios do início, que jamais se fez maior que qualquer pessoa, é da igreja o papel de orientadora do homem, e por isso a Igreja Católica permaneceu indissolúvel por tanto tempo, e assim permanecerá,pois ela é ungida e guiada pelo Espírito do Senhor.

A Igreja Católica Apostólica Romana é inspiração divina aos homens, suas atitudes e ações devem ser compreendidas e analisadas, pois assim como dentre os apóstolos houve quem traísse a Jesus, na nossa igreja sempre houve, e infelizmente sempre  poderá haver pessoas mal intencionadas a sua frente, pois todo homem é plausível de falhas, mas assim como a Santa Una Igreja Católica Apostólica Romana sobreviveu por dois mil anos, assim será quando o Senhor retornar, sua obra foi e esta sendo passada adiante e cabe a cada um de nós reconhecermos seu esforço e colaborar para que a igreja de Cristo, que um dia foi desmembrada, volte a ser forte e mostre ao mundo que sobre seus domínios o mal jamais prevalecerá.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s